sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

O amor é lindo?

Tenho lido aqui e também aqui algumas considerações sobre o amor.

O que é o amor? O que não é o amor? Não sei se sabemos bem determinar com algum grau de certeza o que será esse sentimento, estado de alma, estado de graça ou de desgraça.

Pensei um pouco neste assunto e ocorreu-me que o problema do amor é que há dois tipos fundamentais de amor: o amor incondicional e o amor condicional.


O amor incondicional é simples. Normalmente associamo-lo ao amor entre pais e filhos ou ao amor entre animais e pessoas (nada de pensamentos perversos...). Trata-se de um amor que apesar de tudo, subsiste sempre. Com ou sem alegria, ele subsiste.

O amor condicional é que vem complicar a coisa. É esse o amor com que temos de lidar, é esse que nos cria as dúvidas, inseguranças, angústias. É esse que nos faz fazer dieta, comprar lingerie sexy, fazer depilação, ler sobre "como viver o amor da sua vida". É esse amor que faz de nós publicitários de primeira categoria, já que realçamos o que temos de melhor e tentamos ocultar durante o maior tempo possível os nossos piores defeitos.
E é esse mesmo amor condicional que nos permite ter algum amor próprio e não aceitar qualquer porcaria que nos apareça pela frente.

Onde quero chegar, é que o amor não é tão bonito quanto possa parecer. No fim de contas, quando vamos fazer a nossa escolha, impomos critérios, padrões, requisitos e pressupostos... E quem não os preencher, não tem lugar no nosso coração ou em qualquer outra parte do nosso corpo.
O amor é lindo, desde que vá ao encontro das nossas necessidades mais realistas e pragmáticas.

O amor é lindo... ou talvez não.


16 comentários:

v. disse...

O Amor é um pôr-do-sol tóxico!

Ana disse...

Só me ocorre dizer: O amor é fodido!

PKB disse...

V.
O que é um pôr-do-sol tóxico?!

Ana
Foi essa a explicação do psicólogo... =))

Anónimo disse...

O amor é lindo...
O problema é quando só o amor n chega...

João

PKB disse...

João,
És capaz de ter razão.

R.B.M. disse...

Love is clearly overrated =p

Agora a sério, uma das minhas grandes embirrações com o amor, é exactamente um dos pontos que tocas no teu texto: porque raio, o amor, coisa supostamente mai linda do mundo, deixa-nos inseguros, angustiados, desesperados para agradar à custa da nossa própria personalidade se for preciso?! Na minha visão, o amor devia ser simples, quando duas pessoas gostam de estar com a outra e querem estar juntas as coisas deviam ser simples...enquanto for idiota, excessivamente intenso, causador de inseguranças continuo a dizer que não acredito nele, e que todos esses sintomas são culpa de um qualquer descontrolo hormonal =)

Ana disse...

POis... "Eu gosto de ti tu gostas de mim se isso não chega tens o mundo ao contrário...."
Pergunta minha: Tens um namoro simples, calmo e seguro até que o dito cujo tem uma proposta de trabalho, o sonho da vida, numa cidade a 350 Km de distancia. Abandonas tudo e acompanhas o dito cujo, caso aceite; convences o dito cujo a desistir; ou manténs-te onde estás, embora de coração partido? Qual a opção correcta? POis... É aí que começa a insegurança, a angustia e o desespero!

PKB disse...

RBM,
Pode ser que seja realmente um descontrolo hormonal. É uma boa explicação =)) Ao fim de uns anos também me tornei céptica.

Ana,
Conforme deves ter lido no segundo texto deste blogue, eu por vezes dou conselhos (mesmo quando não me pedem). O teu caso abriu as portas a essa situação, portanto vou dar-te um conselho:
- Gostar de uma pessoa significa, em determinadas alturas, apoiá-la numa escolha importante. Uma proposta de trabalho importante é uma escolha importante. Se eventualmente disseres "não, não aceites. fica ao pé de mim", se um dia as coisas dão para o torto a primeira coisa que vais ouvir é "pois.. e por tua causa perdi o meu emprego de sonho."
Por outro lado, largares tudo para ir atrás dessa pessoa, pode ser uma opção um pouco extrema, visto que primeiro é preciso ver se as coisas resultam com esse novo emprego. A melhor solução será esperar para ver e depois agir de acordo com as necessidades. Ter um relacionamento temporariamente à distância e depois, quem sabe, as coisas proporcionam-se bem de modo a ires tu também para ao pé do dito cujo.
E pronto, Diário da Passaroca dixit! =))
Beijocas!

Ana disse...

Ana, sendo sincera e falando por experiencia própria: Namoros à distância? Jamais!

PKB disse...

Minha querida Ana,
Foi apenas um conselho dado por quem não sabe realmente qual a tua situação.
De qualquer modo, são coisas que é preciso ponderar muito bem, não é?

Beijinho!

Ana disse...

Pois cocerteza!
Eu fiz a minha. Custou mas fiz!
Por vezes acho que a decisão que tomei foi a correcta, outras nem por isso...
Eu disse custou? Custa!!!

Um beijo

PKB disse...

Beijinho, Ana.

Me disse...

todo o amor nos faz sofrer. até mesmo o incondicional... sofremos porque gostamos, porque queremos que gostem de nós, porque não queremos perder o objecto do nosso amor, logo fazemos as tais coisas estupidas despelotdas pelas hormonas... complicação.
o amor nunca é simples. se fosse, não dariamos valor. e, sinceramente, não acho que haja amores incondicionais... com ou sem a tal alegria. acho é que há certos laços (como os familiares, por exemplo) que nos permitem ultrapassar de outra forma aquelas coisas que fazemmorrer o amor quando é com outras pessoas... Não sei se me expliquei bem... Sangue é sangue... Mas não incondicional.
Acho que vou meditar mais sobre o assunto...
beijos Passaroca
:)

PKB disse...

Querida Me,

É óbvio que o amor não é totalmente incondicional. Se assim fosse não havia crueldade ou indiferença entre alguns pais e filhos, por exemplo.

Mas onde quis chegar foi que realmente nós não amamos porque sofremos alguma descarga eléctrica ou visão fantástica... amamos quando nos apercebemos que aquela pessoa tem a ver connosco, com o que queremos, com o que gostamos, com o pretendemos.

Beijinhos!

susana disse...

o amor incondicional é algo mais profundo e abrangente do que isso. á amares tudo o que é vida, amares-te a ti, aos que tens em teu redor. é o amar apesar de. Amar incondicionalmente é saber que respirar é um previlégio único e que a vida é uma coisa extraordinária. Para mim é isto o amor incondicional
Um beijinho
Su

PKB disse...

Susana,
O teu comentário é muito bonito =)

Um beijinho grande!