terça-feira, 22 de setembro de 2009

Esta vida de político...

Hoje vesti um fato mais ou menos informal, uma roupa que me fica bem, mas que não é propriamente de marca. Parece de marca, porque tenho uma imagem a manter. Meti-me num carro com mais pessoal e lá fomos para um mercado. Lá chegados, fomos rodeados de muitas pessoas das quais normalmente não nos aproximamos. Cheiram a sovaquinho, cheiram a falta de banho, cheiram a alcool, têm mau hálito, estão mal vestidas. Mas eu abraço-as, beijo-as, falo com elas, ouço toda aquela algazarra. Depois de todo este penoso prelúdio, lá subi para um pequeno palanque feito de caixotes de legumes já vazios e lá disse o que tinha a dizer. Fiz promessas, falei mal dos meus adversários, disse o que aquele povo quis ouvir. Disse que sou o melhor. Disse que os outros não prestam. Disse que vou dar empregos, que vou dar mais subsídios, que vou acabar com os compadrios, que comigo a vida vai ser melhor. Sou aplaudido, louvado. Saio em ombros. As minhas calças ficam sujas de escamas de peixe. Saí aos ombros de um peixeiro que também cheirava a águardente.

Chego a casa, e ainda na garagem tiro toda a minha roupa. Meto-a num saco do lixo. Peço a um empregado que me dê uma mangueirada porque não tenho coragem para entar na minha casa com este cheiro entranhado e não tenho coragem de conspurcar a minha casa de banho com toda esta sujidade tão impregnada em mim.

Finalmente, meto-me num banho de imersão, com sais e óleos aromáticos. Pus cremes, fiz a barba, comi um jantar frugal e fui ver um filme.

Amanhã espera-me outro dia de humilhação, de imundície, de maus cheiros e populaça ignorante.

Odeio a campanha eleitoral! Odeio esta vida de político!




3 comentários:

Pedro Viegas disse...

E X C E L E N T E

e que tal uma arruada com bjecas e tramoços ??

Nós, que não eles os politicos.
Nós, POVO!

S* disse...

Certamente que muitos deles são assim... demasiado finos para lidar com o povinho.

Sílvia disse...

Muito bom, muito bom =)