sábado, 26 de setembro de 2009

Esta vida de político (parte II)...

Hoje é a véspera de um dia importante para mim. Qual será o resultado do meu árduo trabalho de semanas? O que tenho dito ou feito durante quatro anos não tem importância. As pessoas esquecem. Do que se lembram é do que disse e fiz nas últimas semanas em que andei de terra em terra a "vender o meu peixe".

Vou a um café pequeno, quase deserto. Não quero que me vejam. Não hoje. Também eu preciso de reflectir um pouco. Mas não quero estar em casa a ler sondagens, a ter de falar com o pessoal do partido, com o pessoal da campanha. A campanha acabou nas ruas, mas não acaba na sede, em minha casa, na minha cabeça. Pedi um café e uma água com gás. Queria fumar um cigarro, mas não posso. Estou dentro do café e mesmo havendo um ou outro cliente habitual que puxa do cigarro, eu não o posso fazer. Sou político e tenho de respeitar as regras. E, no entanto, matava para poder fumar um cigarro agora...

Estou sentado num canto discreto do café e ouço a conversa dos fregueses. Falam das eleições. Não falam em quem vão votar. Falam em quem não vão votar. É assustador ouvi-los a pensar alto e a expor a sua lógica. É assustador porque no final das contas, a campanha só serviu para lhes tirar as dúvidas de que isto não passa de um jogo já viciado. Dizem que não estão a escolher livremente coisa nenhuma. Estão, isso sim, a escolher entre aquilo que os partidos lhes dão a escolher. Dizem, entre uma passa no cigarro e um gole de bagaço, que andam todos ao mesmo, que já ninguém salva o país, que vai tudo ficar na mesma, que as leis são feitas para os corruptos, que só consegue emprego quem tem cunhas, que daqui a uns anos não há reformas para ninguém....

Sinto-me como se tivesse levado uma tareia monumental depois de tudo o que ouvi. Andei eu a beijar e a cumprimentar velhotas desdentadas e homens rudes... andei eu a ser apupado nas ruas por alguns bêbados... andei eu a dançar, a beber, a comer, a discursar até ficar sem voz.... andei eu a ser gozado em tudo quanto é programa de humor... para no fim todo o meu esforço se resumir a nada. Estou dependente do voto de gente que não tem qualquer ilusão sobre o que está por trás de tudo isto. Estou dependente da vontade de gente que mal sabe ler e escrever.

Isto é ignóbil!

2 comentários:

Miguel disse...

Em todo o caso, boa sorte para amanhã ...!

Todavia, o bom trabalho é sempre reconhecido mais tarde ou mais cedo ...

Apesar do trabalho de um politico não ser reconhecido devidamente ...!

Um abraço da M&M & Cª!

rui disse...

Político?... Hm... When I'm not kissing babies here, I'm killing them overseas? Será isto? Deve ser. Um dia destes, em todo o caso, convido para jantar, dentre os políticos, os que constituam excepção - e ofereço-me para pagar! Barata feira, não há problema.