quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Banalidades...


Há quem pinte os dias de cor de rosa, há quem veja o mundo em tons de azul… Repetimos os nossos tons, os nossos sabores, os nossos timbres. Queremos ser originais quando vestimos uma cor que não é a nossa, para sentirmos que estamos diferentes. Mas somos sempre o mesmo… não mudamos por dentro, apenas nos disfarçamos melhor com pintura e enfeites. Falamos de coisas ditas importantes que, no fundo, não nos interessam minimamente. Vivemos assim, atrás de um sentido, à espera que tudo faça sentido…. Se formos olhar para trás, será que algo faz sentido? Talvez… Ou talvez não. Tudo é vulgar, tudo é normal. Nada nos espanta? Claro que sim! Tudo nos espanta, ainda que tudo se repita, dia após dia, noite após noite. Quem não quer rotinas, vive na procura inesgotável do que é diferente… mas se olhar para o lado, outro já o fez, já o disse, já o escreveu, já o pintou. Tudo o que resta é maravilharmo-nos com as banalidades e trivialidades que compõem os dias... um pássaro a piar ou a depenicar num pedaço de pão, um gato a dormir ou a lamber-se, um cão a olhar para o dono com uma expressão submissa ou a ladrar a quem passa, uma flor que embeleza um jardim ou que morre num ramo bem arranjado.

2 comentários:

S* disse...

Tento aproveitar essas pequenas coisas tão bonitas... mas há dias em que está tudo tão negro...

Irremediavelmente Inconformado disse...

revi-me em "Quem não quer rotinas, vive na procura inesgotável do que é diferente…"... mas acho que pelo o meu nome aqui na blogosfera, é bastante obvio isso...

beijinho